SETOR MOVELEIRO ENSAIA PEQUENA MELHORA EM AGOSTO

move
De janeiro a julho deste ano, a economia brasileira registrou – quase que em sua totalidade – números negativos para os segmentos da indústria. No entanto, o cenário parece estar mudando!

De acordo com dados divulgados pelo relatório do IEMI – Inteligência de Mercado, em agosto, o setor moveleiro apresentou uma pequena melhora, se comparado a julho deste ano.

A produção de móveis em volumes no Brasil alcançou 36,2 milhões de peças, uma alta de 14,6%. No Rio Grande do Sul o panorama também foi positivo. O Estado alcançou 7 milhões de peças, cerca de 14,7% a mais, e a indústria de transformação também apresentou aumento de 1%.

O consumo aparente de móveis nacional chegou a 35,7 milhões de peças, um aumento de 15,2% em volumes. Já o gaúcho somou 6,6 milhões de peças, o que representa 13,7% de crescimento.

A participação dos móveis importados no Brasil foi de 2,6% no mês de agosto e no acumulado anual, e a dos móveis exportados foi de 3,7% a.a.. No RS, os importados representaram 0,6% do consumo interno e os exportados 5,9% mensal.

A produtividade da indústria moveleira também teve um aumento de 10,7% e a da indústria de transformação registrou 2,9% de crescimento.

Um dos poucos segmentos que apresentou números negativos nos últimos 12 meses foi o de geração de empregos, com retração de 9% e queda de 0,5% no volume.

De acordo com o Ministério do Trabalho e Emprego – CAGED, no mês de agosto foram encerradas 845 vagas de trabalho no setor moveleiro nacional, chegando a 235.188 empregos diretos, uma queda de 5,1% em relação a dezembro de 2015.

Considerando o mesmo período de comparação, no Rio Grande do Sul ocorreu o fechamento de 255 postos de trabalho, consolidando 34.249 empregos diretos, uma redução de 4,6%.

A média salarial também teve desvalorização, caindo 0,9% em agosto. Na indústria de transformação a queda foi ainda maior: 1,9%.

Os índices negativos aparecem novamente nas vendas do comércio varejista de móveis, que sofreram queda de 5,6% em volume e de 5,7% em valores. Os números são um pouco melhores no Rio Grande do Sul: redução de 2,4% em volume e de (-) 3% em valores.

Segundo o presidente da MOVERGS, Volnei Benini, a expectativa é que – gradativamente – os números apresentem pequenas melhoras. “A elevação dos índices acontecerá lentamente”, explica o executivo, que completa: “Só conseguiremos ver uma melhora considerável, a partir do segundo semestre do ano que vem”.

 

Mais informações

Com mais de 29 anos de atuação, a MOVERGS representa as indústrias moveleiras no Estado do Rio Grande do Sul, e tem como lema “unir para fortalecer, renovar para crescer”. Em 2015, somente em Bento Gonçalves, o setor moveleiro faturou R$ 2,2 bilhões entre 300 empresas do segmento. Dentro da indústria de transformação, a área moveleira é a que mais emprega. É, portanto, de significativa contribuição para o desenvolvimento econômico e social da cidade que é um dos principais polos do segmento no Brasil.

O Rio Grande do Sul tem, atualmente, 2.750 empresas moveleiras, que respondem por 18,4% do total de móveis fabricados no Brasil. Essa participação confere ao Estado posição de liderança como maior produtor do país. No ano passado, as indústrias de móveis faturaram R$ 6,73bilhões e exportaram mais de U$ 183 milhões. Também foram responsáveis pela geração de mais de 39mil empregos. Tais indicadores demonstram o quão representativo é o segmento no contexto da economia gaúcha, tanto pela geração de renda e tributos, quanto de postos de trabalho.

 

Fonte: MOVERGS




Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: