TERAPIA NA MESA DE BOTEQUIM

QUEM É VOCÊ? Um conto erótico.
Olho para o relógio da igreja, são 23h42min, estou sentado num banco de praça, próximo ao meu bar virtual que criei e, como vocês sabem, tenho opções para instalá-lo e assim montar um cenário adequado para minha estória. Existem dias que a gente não tem muita coisa para fazer e nem para escrever, senão, pensar em assuntos absurdamente estranhos ao seu ambiente. Olho para o lado e imagino o que faria se de repente surgisse, ali, ao meu lado naquele banco, uma mulher, a mais linda do mundo para você (beleza é algo subjetivo e cada um tem seu conceito de beleza), vestindo uma saia preta, curta do tipo tubinho, dando-me um show de pernas roliças e perfeitas com movimentos de cruzar e descruza-las metodicamente estudados. Para completar, ela deixa que eu consiga ver a cor da sua calcinha, que também é preta. Seus movimentos felinos, sua sensualidade faz com que eu tenha um acesso de tosse, não estou acreditando no que estou vendo e imagino que seja um sonho dentro do meu cenário virtual, o que me confunde um pouco. Seus cabelos presos num rabo de cavalo, são jogados de um lado para outro pelo seu movimento de cabeça, sua boca que se sobressai pelo batom vermelhos sangue num biquinho sensual que realça ainda mais seus lábios carnudos. Eu, então me sinto como um medíocre, insipiente e pretenso escritor de pequenos textos, a beira de um colapso, tamanho é a beleza daquela fêmea, sinto que se puder gravar aquele instante, mesmo sendo um sonho, poderei montar um texto saudáveis para se ler. Se vocês acompanham minha audácia como escritor, estão vendo que ainda não consegui definir a personalidade dessa mulher, personagem nova que às vezes vejo como uma loira, noutras, como uma morena, ruiva, afro ou da cor que melhor se completar no conto. É na companhia delas que viajo para lugares paradisíacos, tais como aqueles que aparecem em calendários anuais, ao fundo um céu se completando com um mar azul de águas quentes e com uma praia de areias brancas cercada de coqueiros que se prolongam até a encosta de uma montanha. É o cenário perfeito para imaginar e se deliciar a companhia de uma mulher magnifica, como esta. Talvez, seja por isso que imagino sempre uma linda mulher para o meu conto, ao lado do personagem principal, nesses momentos. Como a hora é avançada, a praia está deserta, sendo um lugar pouco frequentado à noite, poucos se aventuram a passear pela praia. Este é o cenário que vou querer para este texto e deixo minha mente vagar, nele coloco essa linda mulher, que está na sacada de uma cabana, vestindo uma camisola transparente, olhando para o horizonte, quem sabe pensando num mundo só seu, sendo a personagem criada para a terapia que vou contar.
Depois dessa introdução, começo minha estória, curtindo um pouco aquele momento de êxtase no banco da praça, com Sarah, esse é o nome que vou dar para essa personagem que me tirou da solidão, num momento só meu, quando eu pensava que já tinha passado por essa fase, bagunçando aquilo que estava calmo no fundo da minha alma. Eu como qualquer ser humano tenho sentimentos e eles podem se manifestarem, mesmo depois de muito tempo inertes sem nenhum envolvimento. Mas ela veio para mexer com todo meu íntimo e, quando minha mente se enche de personagens, tenho que escolher aqueles que melhor se adaptam ao texto. Ela foi diferente, parece que foi quem me escolheu e eu tive que me adaptar a ela, nem mesmo minha serenidade me ajudou, tentei resistir, personificar outros personagens no meu conto, mas foi impossível, fui traído pela minha sensação de senhor de si e, como um boneco marionete, fui alçado pelas suas garras de felina dominadora, ficando sob seu domínio. Não sei se gosto disto, pois sempre gostei de ser o caçador, são momentos que sinto que posso dominar minha presa, mas com ela fiquei introvertido, olhando meu interior e me analisando, tentando imaginar como me deixei dominar e se seria esse meu personagem, ou eu estava me envolvendo nos meus textos, ainda se eu fosse um sujeito bonito, rico e com o membro do tamanho ideal para cada mulher que conquistasse, poderia dizer que Sarah seria a primeira a experimentar. Quem imaginaria que Tony se quedaria por uma mulher e podem acreditar, estou escrevendo o que senti naquele momento se são bobagens, não sei e quem seria Sarah, por que ela deveria ser a primeira. Perguntas que estou tentando responder, talvez se misturar com um pouco do sonho que estava vivendo naquele banco com essa virtualidade real de uma situação imaginária, posso escrever o que quiser e a ideia não é esclarecer e sim confundir quem tentar entender. Escrevo por que sei que todo homem gostaria de ser abastado, bonito e, dotado de uma ferramenta sexual, capaz de satisfizer totalmente suas conquistas amorosas. Imaginei essas qualidades num só homem, com certeza o tornaria o Dom Juan dos tempos modernos, por razões obvias, criei Tony que, mesmo com todas essas “virtudes” continuaria sendo um homem mediano, normal dentro das suas possibilidades. Bem, mas não é isso que quero escrever agora e sim falar sobre Sarah, mulher de poderes tais quais uma feiticeira e que veio até mim para me enfeitiçar, logo eu que achava ser um mago e com poderes sobrenaturais, conseguiu me submeter a sua vontade e, agora está comigo nessa praia.
Realmente ela é uma linda mulher, sua sensualidade não está no seu belo corpo, mas na sua ousadia e coragem de não se deixar dominar. Uma loira de olhos azuis, cabelos compridos, 1,70m de altura, corpo esbelto, sensual e de curvas perfeitas, coberto de puro desejo e volúpia, sem vulgaridade, seus seios volumosos, não eram grandes, digamos eram do tamanho exato, firmes e com mamilos sempre apontando para você, como se estivessem te chamando. Contra a luz do luar percebi, por debaixo da camisola branca transparente, suas formas que se encaixam umas nas outras, formando o corpo bem feito, sob o tecido fino acetinado, que combina com a calcinha branca, que mal se pode notar, pelo seu tamanho minúsculo que mal tapa sua gruta do amor, dando a impressão que não tinha nada entre as nádegas, por sinal lindas e roliças. Suas coxas grossas, bem torneadas, bronzeadas, cobertas de pelos do tipo pele de pêssego, sabe como é, dourados que brilham contra sua pele bronzeada com a luz do sol, neste caso, brilhavam pela luz do luar.
Essa mulher, com uma idade indefinida, representava para mim a deusa da beleza e do amor resgatado e que meus olhos não se cansavam de admirar. Ali, de pé na beira da sacada ao relento, olhando para mim com um sorriso safado, como se procurasse por alguma coisa em mim, a cada olhada, dava um sorriso se mostrando uma verdadeira jogadora no jogo da sedução. Eu estava um pouco afastado estrategicamente, para que, de onde estava, poder observar e apreciar melhor aquela maravilha da natureza.
Aproveitei esse momento de pura inspiração e romantismo, pensei como perpetuar numa poesia, tanta beleza e desejo, peguei uma caneta e deixei a mente comandar minha mão.
QUEM É VOCÊ
Mulher que cativou meu coração e que meus os olhos e mete tentam decifrar,
Não sei, ainda, quem você é, feiticeira ou bruxa,
Que vem e vai como uma nuvem no céu,
Ou como o vento que traz seu perfume a cada golfada,
Mesmo querendo te conhecer, sinto-a uma desconhecida e isso me faz sofrer,
Até pensar na sua ausência me sinto enfraquecer,
Não te ver mulher-menina é torturante,
É como se nada tivesse importância,
Uma sensação de angústia e frustração invade minha alma,
Se, ao olhar ao redor, não te vejo, tudo perde a graça e, se te vejo, você não me enxerga,
Pois imagino que ver é enxergar com os olhos;
Olhos que são a porta de entrada para o coração,
Então, sei que te enxergar é ver-te com o coração,
Quando isso acontece meu coração palpita,
Minha alma amolece e tudo fica abstrato, longe de mim,
Mesmo que te enxergando, sua imagem invade minha mente,
Mas de que adianta se quero, mas não consigo te encontrar aqui, ali, em qualquer lugar,
Talvez você seja o combustível para me fazer viver,
Talvez seja o alimento que minha fome irá saciar, a água que me banhará,
Hoje sinto que sua ausência é um buraco no meu coração,
Não basta te ver ao longe, só seu abraço e seus beijos me confortaria e daria ânimo,
Então, mulher insensata, você tem o poder de me tirar da solidão,
Se possível, apareça, saia da minha mente e se materialize na minha frente,
Para que eu possa descobrir, QUEM É VOCÊ?

Logo depois de escrever esse poema desregrado, fui ao encontro de Sarah, a linda loira que estava comigo, nesse dia. Se ela é a mulher misteriosa, não sei.

De mim para eu e vocês que estão querendo saber também.

 




Deixe uma resposta